Fechar

Fale com nossa equipe

BLOG DE NOTÍCIAS

SAUDE

Alimentação X Acne

Por Adriana Biagioni

 

A acne é doença muito comum, acometendo cerca de 20% da população mundial. É uma condição multifatorial, que envolve as alterações hormonais, o aumento da oleosidade da pele, a presença de bactérias que metabolizam o sebo e outros processos inflamatórios.  Tem início, mais frequentemente, por volta dos 11 aos 13 anos nas mulheres, e, nos homens, um pouco mais tarde, entre 14 e 16 anos, sendo que no público masculino a doença tende a ser mais grave.

Cada vez mais surgem estudos comprovando a influência da alimentação em doenças inflamatórias nos diversos órgãos do nosso corpo. Os hábitos alimentares podem ser agravantes – ou, em alguns casos, ser uma das causas – da acne. Os alimentos mais relacionados à piora desta condição são aqueles de alto índice glicêmico: os carboidratos simples, como os açúcares e farinhas brancas; e as gorduras. A rápida absorção desses alimentos causa um pico na quantidade de açúcar (glicemia) no sangue, estimulando a liberação de grandes quantidades de insulina, um hormônio que tem papel inflamatório, podendo contribuir para a inflamação na pele.  Algumas intolerâncias alimentares também podem se manifestar com lesões na pele, inclusive com espinhas.

Em geral, a acne tem curso autolimitado, resolvendo-se após o término da adolescência, mas pode deixar marcas – físicas e emocionais – eternas. Dessa forma, o tratamento é fundamental, e deve ser realizado de acordo com a gravidade do acometimento. Casos leves podem ser tratados com medicamentos tópicos, principalmente os retinóides, peróxido de benzoíla e antibióticos, além de sabonetes, tônicos e filtros solares específicos para esse tipo de pele. Em casos moderados, pode haver necessidade de se acrescentar medicamentos orais, como alguns antibióticos e anticoncepcionais, entre outros. Já os casos graves, com acometimento extenso e que cursam com cicatrizes, podem ser tratados com o uso da isotretinoína oral – um medicamento que exige alguns cuidados extras e a realização de exames de sangue periodicamente para acompanhamento.

Os lasers, a luz pulsada e aparelhos de LEDs podem ser usados como coadjuvantes no tratamento tanto na fase ativa, reduzindo a inflamação e por seu efeito bactericida, quanto em fase mais tardia, na melhora das manchas residuais e na correção de cicatrizes. Peelings químicos e físicos também podem ser usados, para auxiliar a “secar” as espinhas, melhorar as manchas e renovar a pele, além de tratar alguns tipos de cicatrizes.

Um cuidado fundamental é não cutucar, não espremer os cravos e espinhas, o que pode piorar a inflamação e favorecer o surgimento de cicatrizes. Evitar o uso de fórmulas caseiras ou uso de medicações sem orientação médica é importante.

A limpeza de pele, quando bem realizada por um profissional habilitado e experiente, sem “machucar”, pode contribuir para a melhora da acne quando há muitos cravos.

Além de todas essas opções, novos estudos têm sido conduzidos para melhor elucidar os mecanismos envolvidos no surgimento da acne, e tratamentos utilizando a técnica de congelamento das glândulas sebáceas (criólise) têm sido testados em renomadas universidades americanas, com resultados promissores e permanentes.

Dicas da Dra. Adriana:

-> Vá a um dermatologista cedo! Tratamento precoce, de acordo com a gravidade, sempre orientado por um dermatologista. Como é uma doença autolimitada, o tratamento pode ser necessário por longos períodos, até que se atinja a idade adulta, quando a acne tende a melhorar e desaparecer.

-> Não lave o rosto muitas vezes, a remoção constante da oleosidade provoca um efeito rebote, com maior produção de sebo.

-> Não use fórmulas caseiras ou medicações sem orientação médica. O remédio que foi prescrito para um amigo pode não ser o mais indicado para o seu caso.

-> Não esprema, cutuque ou tente remover os cravos.

-> Atenção à alimentação!

-> A limpeza de pele, dependendo da forma que é realizada, pode ajudar ou piorar as lesões. Existem técnicas adequadas para a extração dos cravos.

Além dos medicamentos adequados, várias tecnologias auxiliam para a eficácia do tratamento e melhora das espinhas, manchas e cicatrizes.

Dra. Adriana Biagioni – Médica Dermatologista (CRM 34312)

www.adrianabiagioni.com @adrianabiagioni

Inscreva, para novidades.

Todos os direitos reservados a Pele em Pauta 2018. Desenvolvido por Agência Salt.